O trabalho utiliza a sonda mais direta que temos sobre a história da expansão do universo: As supernovas do tipo Ia. Essas supernovas são um tipo de explosão estelar e funcionam como uma espécie de parâmetro cósmico, permitindo-nos medir distâncias surpreendentemente grandes no universo. Essas distâncias podem então ser comparadas com nossas expectativas. Essa é a mesma técnica que foi usada para detectar a existência da energia escura há 25 anos.

A diferença agora está no tamanho e na qualidade de nossa amostra de supernovas. Usando novas técnicas, a equipe do DES tem 20 vezes mais dados, em uma ampla gama de distâncias. Isso permite uma das medições mais precisas de w, fornecendo um valor de -0,8

À primeira vista, esse não é o valor exato de menos um que previmos. Isso pode indicar que essa não é a constante cosmológica. No entanto, a incerteza nessa medição é grande o suficiente para permitir menos um com 5% de chance, ou seja, uma probabilidade de aposta de apenas 20 para 1. Esse nível de incerteza ainda não é bom o suficiente para dizer qualquer coisa, mas é um excelente começo.

A detecção da partícula subatômica Bóson de Higgs em 2012 no Grande Colisor de Hádrons exigiu uma probabilidade de um milhão para uma de estar errada. Entretanto, essa medição pode sinalizar o fim dos modelos ?Big Rip?, que têm equações de estado mais negativas do que um. Nesses modelos, o universo se expandiria indefinidamente em um ritmo cada vez mais rápido, acabando por separar galáxias, sistemas planetários e até mesmo o próprio espaço-tempo. Isso é um alívio.

Como sempre, os cientistas querem mais dados e esses planos já estão em andamento. Os resultados do DES sugerem que nossas novas técnicas funcionarão para futuros experimentos de supernovas com a missão Euclid da ESA (lançada em julho de 2023) e o novo Observatório Vera Rubin no Chile. Esse observatório deverá em breve usar seu telescópio para obter uma primeira imagem do céu após a construção, dando uma ideia de suas capacidades.

Esses telescópios de próxima geração poderão encontrar milhares de outras supernovas, ajudando-nos a fazer novas medições da equação de estado e lançando ainda mais luz sobre a natureza da energia escura.



Fonte – Uol

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao navegar no site ,você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência e os termos da GDPR (LGPD) Conheça nossa Politica de Privacidade 
Ola Podemos te ajuda
Podemos Te Ajudar ?
SEJA BEM VINDO
Ola nos do Grupo Eco estamos muito fefiz por voçê estar aqui no que posso Ajudar ?